INTERVENÇÃO DO CDA MANUEL AUGUSTO VIAGE-SECRETÁRIO GERAL DA UNTA-CS, NO ACTO DA CERIMONIA FORMAL DE CUMPRIMENTOS DE FIM DE ANO/2016



Camarada secretária geral adjunta, caros membros do secretariado da comissão executiva, caros membros do conselho confederal, dirigentes e responsáveis das nossas associações, caros técnicos e funcionários da nossa organização; gostaríamos, em primeiro lugar, como não podia deixar de ser, agradecer os votos de boa saúde e de prosperidade para o ano que dentro de alguns dias vai começar.

E nesta ocasião, gostaríamos de retribuir essas mesmas felicitações à todos os presentes e também aos sindicalistas ausentes augurando que todos nós gozemos de boa saúde e sobretudo tenhamos energias para enfrentar as adversidades que, certamente, o ano de 2017 vai nos trazer por um lado, mas, por outro lado, também usufruirmos dos benefícios que certamente o próximo ano trará para todos nós.

É por demais evidente que o ano que está a terminar foi difícil, as autoridades declararam e fontes independentes confirmam que o nosso país está a travessar uma críse. E, essa críse como não podia deixar de ser, ela se repercuti sobre as instituições do estado, sobre as empresas e sobre as famílias.

Nós, a unta, enquanto uma instituição inserido no estado angolano, não poderíamos de maneira nenhuma ficar imune da críse que o nosso país atravessa. E os reflexos direitos dessa críse na nossa actividade evidenciou-se fundamentalmente na perca de filiados em consequência de encerramento de algumas empresas, em consequência da redução dos custos operacionais que algumas empresas tiveram que fazer para se manterem abertas, e por outro lado, também, na redução da nossa capacidade de intervenção tendo em conta que a perca de filiados se reflectiu nas contribuições que esses mesmos filiados fazem ás suas associações das cotas e também d´aqueles apoios das que instituições de utilidade pública, como a nossa, beneficiam do próprio estado.

Então a críse repercurtiu-se na diminuição da nossa base social, e também na diminuição da nossa capacidade de realizar actividades a despeito dos nossos recursos terem diminuído. mas ainda assim, a unta tem de reconhecer que procurou desempenhar da melhor forma possível o seu papel, sobretudo na perspectiva da parceria que estamos obrigados a desenvolver por força das nossas responsabilidades.

Isto é, estivemos a altura de representar os nossos associados juntos dos órgãos competentes do estado, onde se faz a concertação das políticas públicas, quer seja no domínio da economia e no domínio social. também tivemos parcerias importante no domínio daquilo que podemos chamar da aquisição de novos direitos, e aqui quero sublinhar a publicação pelo estado do estatuto jurídico sobre o trabalho doméstico, e também de alguns resultados positivos que decorreram de algumas reivindicações pertinentes que algumas das nossas comissões sindicais e sindicatos apresentaram sobretudo na economia, nas empresas, e que a capacidade da negociação produziu resultados a favor dos nossos associados.

Portanto, a críse permitiu também que nós soubéssemos redimensionar, equacionar da melhor forma possível a nossa forma de actuação, e estar a altura das dificuldades que o próprio país enfrenta e ajudar na resolução dos problemas. Por isso, eu cumprimento todos os sindicalistas, responsáveis e administrativos, que com o seu trabalho quotidiano contribuíram para que toda nossa organização, desde das comissões sindicais até a sua cúpula, conseguíssemos nos situar à esse nível de realização da nossa actividade, a esse nível de contribuição para a resolução das questões atinentes por um lado à sociedade de uma maneira geral, e em particular aos trabalhadores, principalmente, os nossos associados. essa mesma vitalidade terá de continuar no próximo ano, e desde logo uma das tarefas que vai se colocar à nossa organização é de participarmos activamente no processo eleitoral que vai decorrer no nosso país. é por demais consabido que os sindicatos não são organizações partidárias, mais elas também não são apolíticas.

Sendo associações não apolíticas, elas estão interessadas e procuram oferecer contribuição em relação a todos assuntos que a sociedade produz, a todos assuntos que ocorrem na sociedade.

Por esta razão, a unta particularmente, dentro do processo de preparação das eleições gerais em 2017, deverá orientar o seu papel para o trabalho de educação cívica, para que todos os trabalhadores e os seus agregados familiares, em idade de registo, registarem-se para se habilitarem ao exercício do voto.

Quando entrarmos no processo da campanha em si, a unta deverá continuar com o seu trabalho de educação cívica orientada fundamentalmente para o exercício efectivo do voto por todos cidadãos maiores. isto é, deveremos nos preocupar para que a abstenção não ocorra.

Será necessário que todos cidadãos em idade adulta e com capacidade eleitoral exerçam efectivamente o voto para que se possa eleger os futuros dirigentes para a nossa pátria.

E no quadro da nossa preparação para o processo eleitoral, será necessário que estabeleçamos uma agenda política ou sindical. E agenda política ou sindical em linhas gerais, para a unta tem de ser aquela que concorra para se adquirir um ambiente económico no país que propicie o investimento, porque é com o investimento que se criem novas empresas, e com as empresas se crie novas oportunidades de emprego por um lado. Mas, por outro lado também pugnarmos para que a economia cresça de tal sorte que as empresas, que conseguiram resistirem a críse, se mantenham activas e continuem a oferecer e a garantir os empregos que a economia ainda preserva.

Temos de, na nossa agenda, olhar para esses aspecto muito importante. como é que as autoridades vão trabalhar no sentido de criar um ambiente economico que propicie o crescimento da economia, a geração de empregos e por via da geração de empregos podemos gerar rendas para alimentar as nossas famílias. A nossa agenda também tem que inscrever portanto, instituições do estado que façam observar a lei. a legislação laboral tem de ser observada por todas as entidades. neste sentido os tribunais devem ser céleres na abordagem e na resolução dos conflitos que lhes sejam presentes.

As empresas têm de trabalhar no sentido de oferecer aquilo que nós reputamos de trabalho decente. isso é, os trabalhadores que estiverem empregados na economia devem se sentirem realizados em relação a profissão que exercem. realizados no sentido de serem profissionais competentes, realizados no sentido de sentirem que têm um emprego estável e realizado no sentido de sentirem que o resultado do seu trabalho que se consubstancia na remuneração, é capaz de satisfazer todas as suas necessidades, fundamentalmente, as básicas.

Então, no quadro do trabalho de educação cívica e no quadro do nosso trabalho no sentido de que os trabalhadores não se abstenham no processo eleitoral de 2017, deveremos ter essa agenda muito clara para que os nossos filiados saibam em quem votar.

Portanto, conhecendo a agenda sindical e olhando para os programas, então, cada um dos nossos associados poderá fazer opção correcta, por um lado, e por outro lado, deveremos continuar com a materialização da nossa palavra de ordem que é “mais acção sindical”.

Mais acção sindical no sentido de a nossa organização continuar a crescer quer seja fortalecendo as associações já existentes, como criar novas associações ou recrutando novos membros para os nossos sindicatos.
Por isso, caros colegas, gostaria de terminar desejando à todos boa saúde, muita paz e um ano de 2017 próspero.

obrigado

União Geral dos Trabalhadores de Angola