DEFENDIDA ESTABILIDADE DO EMPREGO FACE A CRISE!!



USH             

UNTA QUER ESTABILIDADE NO EMPREGO



Luanda - A garantia da estabilidade do emprego numa altura em que o país atravessa o momento de crise é a principal preocupação da União Nacional dos Trabalhadores Angolanos Central Sindical (UNTA-CS), disse hoje, em Luanda o secretário-geral da organização, Manuel Viage.

Manuel Viage fez esta afirmação no final de uma reunião com deputados da 8ª comissão da Assembleia Nacional, que visou auscultar os sindicalistas sobre as preocupações que os aflige.

Segundo o dirigente sindical, face a crise que o país vive as dificuldades acentuaram e o que defendem é que ainda que as empresas tenham a necessidade de reduzir os custos operacionais, a componente do emprego devia ser preservada.

Para Manuel Viage, muitas empresas alegam a necessidade de fazer redução dos custos operacionais e isso se tem repercutido no emprego e no fecho de alguns postos de trabalho que se resumem no despedimento de trabalhadores, o que é mau.

“É preciso que haja emprego porque é por via do emprego que se consegue alimentar as famílias”, referiu.

Acrescentou que para além desta questão defendem também o melhoramento do diálogo social entre os empregadores e os representantes sindicais e que a materialização dos acordos possam ser respeitados pelas partes, garantindo a paz social.

Para o presidente da 8ª comissão, Fernando Heitor, o encontro foi proveitoso e serviu para encorajar e motivar os sindicalistas nesta fase de crise a continuar a dialogar para a resolução dos seus problemas.

Salientou que ouviram as inquietações que serão levadas aos membros do executivo para se dar o devido tratamento, numa altura em que o índice de desemprego preocupa os sindicalistas.

Participaram do encontro, os responsáveis dos sindicatos filiados a UNTA com o presidente e vice-presidente da 8ª comissão.

A 8ª comissão parlamentar trata de questões ligadas ao ambiente, ciência e tecnologia, trabalho e segurança social.

A UNTA foi criada a 16 de Abril de 1961 e controla 316 mil e 776 trabalhadores filiados em todos os ramos de actividade.

Luanda 15 de Dezembro de 2016

União Geral dos Trabalhadores de Angola